SINDFESP - SINDICATO DOS FUNCIONÁRIOS DA FAZENDA DO ESTADO DE SÃO PAULO

Quarta-Feira, 19 de Setembro de 2018
FILIE-SE
 

Saúde - Secadores de ar sopram bactérias do banheiro na sua mão, diz estudo (13/04/2018)

  • Sintomas, prevenção e tratamentos para uma vida melhor

    Do Viva Bem, em São Paulo

    O uso de papel para secar as mãos sempre foi muito criticado por quem acha que é um desserviço ao planeta, por causar excesso de lixo, mas um novo estudo descobriu que os secadores de mão com ar quente --muito comuns em banheiros públicos-- "sugam" o ar ao redor, cheio de coliformes fecais, e os sopram de volta não apenas na sua mão, como também por todo o ambiente.

    Em uma pesquisa, cujos resultados foram publicados este mês na revista Applied and Environmental Microbiology, cientistas compararam o ar de um banheiro sem o secador com outro que tinha as máquinas.  E descobriram que muito mais colônias bacterianas se desenvolveram em amostras de ar de locais expostos ao aparelho.

     

    "As bactérias que estão nos banheiros vieram das fezes, e podem ser jogadas na atmosfera quando damos a descarga, especialmente em vasos sanitários sem tampa", disse Peter Setlow, autor do estudo, à revista Newsweek. Além disso, o simples entra e sai de pessoas no banheiro joga micróbios em sua pele, espalhando ainda mais as bactérias.

    Como os secadores de mãos sugam o ar do banheiro e o lançam para fora de novo, nos breves momentos em que suas mãos descansam embaixo do bocal, elas estarão expostas a muito mais ar do que o habitual --e muito mais bactérias.

    No estudo, os pesquisadores avaliaram 36 banheiros da Escola de Medicina da Universidade de Connecticut (EUA) para uma variedade de bactéria Bacillus subtilis chamada PS533 -- essa cepa é achada apenas um laboratório do local. Mas a equipe encontrou o PS533 em todos os banheiros testados.

    Bactérias viajantes

    "Dentro de um grande edifício, bactérias potencialmente patogênicas podem viajar entre as salas [do local que abriga aquele banheiro]", escreveram os autores em seu trabalho.

    "Os secadores de mãos poderiam ser uma das formas pelas quais essas bactériasse espalharam pelo prédio."

    Em teoria, a adição de filtros HEPA (High Efficiency Particulate Arrestance) deve impedir que partículas de bactérias sejam pulverizadas sobre as mãos recém-limpas. No entanto, quando a equipe adaptou alguns de seus secadores com filtros HEPA, eles bloquearam apenas 75% das bactérias. Embora isso seja muito, certamente não é perfeito.

    "Talvez os filtros não estivessem funcionando corretamente ou a grande coluna de ar abaixo dos secadores de mãos estivesse sugando bactérias de ar não filtrado", explicou Setlow, que é professor da Universidade de Connecticut.

    Por enquanto, Setlow está aderindo a toalhas de papel --assim como a Universidade de Connecticut, que as adicionou em todas os seus 36 banheiros pesquisados no estudo.


    Viva Bem

Copyright © SINDFESP - Todos os direitos reservados
Desenvolvido por E-Assis