SINDFESP - SINDICATO DOS FUNCIONÁRIOS DA FAZENDA DO ESTADO DE SÃO PAULO

Quinta-Feira, 15 de Novembro de 2018
FILIE-SE

Enquete

Qual seu candidato para governar o Estado de São Paulo nos próximos 4 anos?

Edson Dorta (PCO – 29)

João Doria (PSDB -45)

Luiz Marinho (PT – 13)

Marcelo Candido (PDT -12)

Marcio França (PSC – 40)

Paulo Skaf (MDB – 15)

Profª Lisete (PSOL – 50)

 

Tecnologia dá novos contornos à violência nas relações afetivas (12/09/2018)

  • Segundo estudo, muitos adolescentes impedem parceiros de ter amizade com sexo oposto e querem acesso ao conteúdo do celular

    Por Joice Soares 

    As novas tecnologias têm sido aliadas na propagação de violência nos relacionamentos dos jovens, sejam em relações longas ou momentâneas. É o que mostra uma pesquisa de mestrado desenvolvida na Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto (EERP) da USP pela socióloga Ana Beatriz Campeiz. O estudo analisou as formas de violência presentes nas relações afetivas entre os jovens.
    “Na pesquisa ficou bem evidente que as redes sociais como o Instagram, Facebook e WhatsApp facilitam o controle e a manipulação da vida do companheiro, pois os adolescentes insistem em ter acesso a todo conteúdo dos celulares, além de impedir que o parceiro tenha amizades com pessoas do sexo oposto”, afirma Ana Beatriz.

    Participaram do estudo 39 jovens, com idade entre 15 e 18 anos, de duas escolas estaduais do interior paulista. A pesquisadora diz que existem poucos estudos nessa área e seu objetivo foi coletar informações para novas propostas de políticas públicas que incentivem relações mais saudáveis.

    De acordo com a socióloga, para os participantes do estudo, um dos pilares de uma relação é a confiança. “Contraditoriamente, eles acreditam que o controle das redes sociais não é uma violência e sim uma prova de amor. Quando negam esse acesso, isso é interpretado como uma forma de traição”, diz.

    Para evitar discussões por conta das redes, os jovens buscaram outra alternativa que possibilita um controle mútuo das ações do companheiro: o perfil comum. Segundo a pesquisadora, esse comportamento expõe a fragilidade das relações e reforça a violência, entendida como forma de amor.

    Para M.A., uma adolescente participante do estudo, “você não dá a senha se não amar ele, porque ele vai saber da minha vida toda ali e, se ele me ama, também tem que dar”.

    Ana Beatriz afirma que as crenças de violência como forma de amor e o mito do amor ideal são fatores determinantes para a violência na intimidade, considerada também como violência de gênero. “Os jovens justificam atitudes como ciúme excessivo e o controle da vida do outro como aceitável e equiparam atos violentos ao cuidado.”

    + Mais

    Relacionamentos com menos diálogo tendem a ter mais agressões
    A pesquisadora conta que esses jovens acreditam em um amor romantizado, que deve suportar e superar tudo. Com isso, auxiliam a propagação de preconceitos como o machismo e a misoginia. “Nesta pesquisa, os adolescentes desqualificam a mulher o tempo todo”, lamenta a pesquisadora.

    Os resultados apontados pela pesquisa mostram também a mulher como agressora. O ato violento é aceito, pois os jovens consideram essas agressões menos graves (tapas, beliscões, arranhões). Já quando são vítimas, diz Ana Beatriz, as mulheres recebem rótulos e são penalizadas, diferente de quando o homem é o agressor, que é considerado natural e aceitável. Entretanto, quando o homem era vítima, eles tinham dificuldade em compreender, pois era fora do que estavam habituados e do que é naturalizado. “Há presença de tabu e reprodução de estigmas de que a mulher sempre é a vítima e culpada, sempre a dominada e o homem, sempre o dominante.”

    A violência e suas faces

    Ana Beatriz Campeiz, socióloga – Foto: Arquivo Pessoal
    Quando o assunto é violência, diz a pesquisadora, muitos associam diretamente com a agressão física, mas existem outras faces dessa tragédia. “Essa ideia é ainda mais recorrente quando é reproduzida pelos veículos de comunicação”, diz. A afirmação da pesquisadora se confirma quando analisado o caso da advogada Tatiane Spitzner, morta recentemente, no qual o principal suspeito é o marido. Não bastasse a violência física sofrida pela advogada, mostrada pelas câmeras de segurança do prédio onde morava, testemunhas relataram que a violência psicológica era recorrente na relação entre ela e o marido.

    No estudo de Ana Beatriz, esse tipo de violência, psicológica e emocional, é encontrada principalmente nos novos modelos de relação entre os jovens, como os “ficantes” e crushs (pessoa na qual temos uma “queda”, um interesse).

    “Tem até violência quando é só crush também. Tipo, ele é meu crush e não pode ‘ficar’ com mais ninguém, só comigo, senão eu largo“, diz M.R, adolescente entrevistado na pesquisa.

    Segundo Ana Beatriz, violências psicológicas e emocionais atingem a autoestima e autoconfiança das vítimas e causam marcas que permanecem ao longo da vida. “Quando se trata da agressão emocional, a vítima não consegue enxergar o que está acontecendo para colocar um fim na relação.”

    O não reconhecimento de determinados atos como coação sexual foi outro fator que chamou a atenção da pesquisadora. “Os jovens associam o estupro ou o forçar o parceiro a praticar o ato sexual como coação apenas quando o parceiro é virgem.” Entretanto, afirma Ana Beatriz, a violência sexual pode acontecer em casais mais íntimos. “Durante a pesquisa foram vários os relatos de adolescentes que se sentiram forçados a beijar o/a parceiro/a, além de trocar carícias quando não queriam. Eles não reconheceram esses atos como violência por achar que, por serem namorados, é algo normal.”

    “Eu vejo as conversas do celular dela todo dia, não tem essa de ter senha. Eu não confio em amigos, em amigas.” Assim se expressa H.F., adolescente que participou da pesquisa.

    Ciclo vicioso
    Vários estudos já relataram o círculo vicioso da violência e, na pesquisa da EERP, esse fato se confirma. Alguns adolescentes entrevistados relataram e justificaram ações de violência devido à presença dessa realidade em suas famílias. Segundo Ana Beatriz, antes de relatar algo vivenciado por eles, os jovens citaram as ações dos pais, tios, avós.

    “Meu padrasto também. Ele bate na minha mãe porque ele cresceu vendo o pai bater na mãe dele. A mãe dele que falou pra minha mãe. Então, depois de um tempo, aí ele bateu na minha mãe”, conta M.E., jovem que participou do estudo.

    Para a pesquisadora, o fato de vivenciar a violência intrafamiliar leva ao aumento dos rótulos para os jovens, que acabam sendo julgados como possíveis novos autores de violência, mas, segundo Ana Beatriz, “é uma espécie de ciclo hereditário, mas esta afirmação não pode ser generalizada. Cada ser humano é único e deve ser olhado de maneira singular.”

    O estudo faz parte do mestrado A violência nas relações de intimidade entre os adolescentes sob a perspectiva do Paradigma de Complexidade, defendido no início do mês de junho e orientado pela professora Maria das Graças Bomfim de Carvalho, da EERP.

    Mais informações: e-mail biacampeiz@hotmail.com, com a pesquisadora Ana Beatriz Campeiz

    Jornal da USP

Copyright © SINDFESP - Todos os direitos reservados
Desenvolvido por E-Assis