Enquete

Qual seu candidato para governar o Estado de São Paulo nos próximos 4 anos?

Edson Dorta (PCO – 29)

João Doria (PSDB -45)

Luiz Marinho (PT – 13)

Major Costa e Silva (DC – 27)

Marcelo Candido (PDT -12)

Marcio França (PSC – 40)

Paulo Skaf (MDB – 15)

Prof. Claudio Fernando (PMN – 33)

Profª Lisete (PSOL – 50)

Rodrigo Tavares (PRTB – 28)

Rogerio Chequer (NOVO – 30)

 

Espirros e coceira nos olhos podem ser sintomas de alergia à pólen (30/09/2018)

  • A polinose, doença alérgica provocada pelos grãos de pólen, costuma se manifestar durante a primavera

    Escrito por Rosane Bleivas Bergwerk
    Alergia e Imunologia - CRM 69705/SP

    Os pólens são grãos muito pequenos que participam da reprodução das plantas e geralmente não são vistos a olho nu. A quantidade de pólen varia conforme o clima, umidade, chuvas, tipo de planta etc. Na primavera, quando a reprodução das plantas é aumentada, a quantidade de pólen é maior.

    A polinização no Brasil, em geral, ocorre através dos insetos que transportam os pólens de um local para outro. Algumas plantas podem fazer também polinização através da água e até autopolinização. Entretanto, no sul do Brasil, os grãos de pólen são transportados através do vento; e com sua dispersão no ar podem penetrar nas vias respiratórias, provocando alergia.

    O crescimento populacional, o domínio da terra, modificações na prática da agricultura associados à propagação de plantas alergênicas contribuíram para o aparecimento da polinização na região sul do Brasil. Nesses locais, as gramíneas substituíram a vegetação natural em áreas extensas.

    Saiba mais: Nove formas naturais de aliviar os sintomas de alergias
    A polinose é a doença alérgica provocada pelos grãos de pólen - fora do Brasil é chamada de Hay Fever e tem como característica fundamental ser estacional, ou seja, manifesta-se em determinada estação do ano (primavera) com sintomas de rinoconjuntivite e/ou asma.

    Os sintomas têm início em setembro, tornam-se mais intensos nos meses de outubro e novembro, prolongando-se às vezes até dezembro e janeiro. Apesar de serem mais evidentes na primavera, no entanto, podem persistir durante todo o ano em alguns casos. A polinose pode aparecer na sua forma pura ou associada a alérgenos perenes como ácaros e epitélio de animais.

    A polinose só atinge as pessoas com predisposição genética a apresentar alergia a pólens, que pode ser comprovada através de um teste alérgico, denominado teste de puntura para inalantes, no qual são testados vários tipos de pólens ou comprovação de IgE específica para pólens no sangue.

    Os pólens capazes de provocar alergia são principalmente as chamadas gramíneas (capim, grama e azevém, Lolium Multiflorum). São de diâmetro de 20 a 40 micras e, por serem leves, podem alcançar grandes distâncias através das correntes aéreas.

    O número de pólens é aumentado em dias quentes, secos e ensolarados e diminui nos dias frios e úmidos. Os dias de chuva ou neblina geralmente dificultam a dispersão polínica e melhoram os sintomas.

    Saiba mais: Nove formas naturais de aliviar os sintomas de alergias
    A inalação de grãos de pólen de algumas plantas faz com que suas proteínas entrem em contato com as mucosas respiratórias provocando uma resposta imediata do tipo I e uma resposta tardia em indivíduos previamente sensibilizados, com a participação do anticorpo chamado de IgE. Quando acontece essa reação são desencadeados os sintomas da alergia.

    Os sintomas da alergia a pólen são:

    • Rinite
    • Espirros
    • Obstrução nasal
    • Coriza transparente
    • Coceira nasal
    • Coceira na garganta e no palato (céu da boca)
    • Perda do olfato
    • Gotejamento pós nasal (secreção atrás da garganta).
    • Conjuntivite
    • Olhos vermelhos
    • Coceira nos olhos
    • Lacrimejamento
    • Sensação de queimação nos olhos
    • Dificuldade de enxergar na luz
    • Visão borrada.
    • Asma
    • Tosse
    • Chiado no peito
    • Aperto no peito
    • Falta de ar.
    • Hiperreatividade brônquica
    • Tosse
    Dificuldade em realizar exercícios.
    Síndrome da alergia oral
    Coceira e formigamento em lábios, boca, língua, após ingerir frutas secas e vegetais, com ou sem inchaço
    Indivíduos com polinose por gramíneas podem apresentar síndrome de alergia oral após ingerirem kiwi, tomate e melão (a estrutura dessas frutas pode apresentar semelhança genética com as gramíneas).
    Sintomas de pele
    Coceira ou eczema em face e pescoço.

    Tratamento
    Os sintomas de rinoconjuntivite e asma podem ser tratados com medicamentos independentemente da sua causa. Em relação à alergia a pólens, há alguns cuidados que podem ser tomados na estação polínica para tentar reduzir ou eliminar a exposição ao alérgeno:

    Uso de óculos para evitar contato do pólen com os olhos
    Fechar bem janelas e portas da casa, como também as janelas dos carros (o uso de automóvel com vidros abertos aumenta a impactação polínica, principalmente nos passageiros dos bancos traseiros)
    Pacientes não devem se expor a locais onde haja grande quantidade de plantas ou florestas. Jardineiros devem evitar cortar grama sem proteção dos olhos
    Pacientes que dirigem motos e bicicletas não devem sair sem proteção de capacete ou óculo
    Pacientes que viajam para países da Europa na estação polínica e que são alérgicos devem ter conhecimento dos sintomas nesse período.
    É possível, ainda, realizar um tratamento com vacinas injetáveis ou sublinguais chamado de imunoterapia com duração de pelo menos três anos, com a expectativa de modificar o curso da doença a longo prazo e eliminar os sintomas provocados pela exposição ao pólen.

    Minha Vida

Copyright © SINDFESP - Todos os direitos reservados
Desenvolvido por E-Assis