Enquete

Quais são suas expectativas para 2019?

Otimas

Boas

Ruins

Pessimas

 

Justiça eleitoral investiga candidatas laranjas em cota feminina (11/03/2019)

  • Procuradoria eleitoral em São Paulo pede cassação dos mandatos de 4 deputados federais, 7 estaduais e dos suplentes eleitos pelo Solidariedade, Podemos, Patriota e PHS

    Ricardo Galhardo e Carla Bridi, O Estado de S.Paulo

    A Procuradoria Regional Eleitoral de São Paulo propôs quatro Ações de Impugnação de Mandato Eletivo contra parlamentares eleitos e candidatos do Podemos e partidos coligados PHS e PMB, Solidariedade e Patriota, por suposto uso de candidatas “laranjas” para preencher a cota de 30% de mulheres exigida pela legislação eleitoral nas eleições de 2018. As ações pedem a cassação dos mandatos de quatro deputados federais e sete deputados estaduais, além de mais de 500 suplentes.

    Segundo a procuradoria, foram identificadas mais de 60 candidatas “laranjas” em São Paulo no ano passado. Em pelo menos dois casos envolvendo o Patriota há suspeita de uso das candidatas para desvio de verbas do Fundo Eleitoral.

    Renata Abreu
    Renata Abreu, do Podemos, é alvo de pedido de cassação; ela e o partido negam irregularidade com candidaturas Foto: LUCIO BERNARDO JR/CAMARA DOS DEPUTADOS - 21/03/2017
    Entre os eleitos que são alvo de pedidos de cassação de mandato estão os federais Paulinho da Força (SD), Marco Feliciano (PODE), Renata Abreu (PODE) e Roberto Lucena (PODE), além dos sete deputados estaduais eleitos pelo Solidariedade (1) e pela coligação do Podemos (4), PHS (1) e Patriota (1). As ações, sobre as quais a Procuradoria Eleitoral não quis se manifestar, correm em segredo de Justiça.

    O Estado teve acesso à íntegra de uma delas, que envolve o Patriota, aberta com base nos depoimentos de 12 ex-candidatas do partido que disseram não ter recebido verbas para fazer campanha.

    “Esta ação volta-se contra a nova e sofisticada versão das ‘candidatas laranjas’”, diz a Procuradoria. “Em vez da inscrição de candidatas desinformadas, o expediente usado foi das candidatas iludidas.”

    As ex-candidatas à Assembleia Legislativa Deusamar Santos Teixeira Salvador (1.712 votos) e Mariá de Lourdes Silva Depieri (274 votos) disseram ter sido obrigadas por Hiroxi Helio Kotó, secretário nacional do Patriota e coordenador do partido na região de Presidente Prudente, a assinar “cheques e alguns contratos em branco”. Assim, “ficaram sem acesso aos recursos de suas próprias contas eleitorais”.

    Segundo a ação, posteriormente elas identificaram várias irregularidades como “contratos em cidades onde não fizeram campanha, de pessoas que jamais trabalharam (para o Podemos), (que eram) de outro partido (PR), assinaturas falsificadas, CPF em contratos de terceiros”. 


    Outras candidatas alegam ter sido forçadas a fazer dobradinha com o presidente da legenda, Adilson Barroso, candidato derrotado a deputado federal. Simone Aparecida dos Santos, que concorreu a deputada estadual, disse à Procuradoria Eleitoral que foi impedida de fazer dobradinha com seu marido, Ademir Gonçalves de Oliveira, candidato a deputado federal. Em seu depoimento, Oliveira disse que foi convidado a se candidatar desde que conseguisse convencer uma mulher a disputar uma cadeira “por causa da cota”. Quando a campanha começou, ela recebeu 15 mil santinhos, todos com o rosto de Adílson Barroso. Segundo Simone, no processo de negociação para a candidatura, a direção do Patriota disse que “para cada mulher podia entrar três homens”.

    Segundo os relatos das testemunhas, Barroso disse que venderia uma “fazenda” no valor de R$ 2 milhões para financiar a própria candidatura e de seus aliados, mas forneceu apenas santinhos com sua própria foto. A “fazenda”, na verdade um sítio de quatro alqueires, nunca foi vendida. Ao Estado, Barroso disse que a história foi uma “brincadeira”.

    Na ação, a Procuradoria pede a cassação do único deputado estadual eleito pelo Patriota em São Paulo, Paulo Corrêa Jr., da chapa de 102 deputados federais não eleitos e dos 130 suplentes de deputado estadual. 

    O Patriota, Solidariedade, Podemos e PMB negaram a existência de candidatas “laranjas” e afirmaram que a distribuição da verba foi feita conforme o potencial e necessidades eleitorais de cada candidato. Paulinho da Força justificou que o Solidariedade teve porcentual de 34% de candidatas, mas que “algumas não tiveram voto nenhum. A gente teria jogado dinheiro fora.” O Estado não conseguiu localizar os deputados Feliciano e Lucena.

    Podemos concentra maior número; partido nega
    A promotora responsável pelas denúncias de candidatas supostamente “laranjas” no Ministério Público Eleitoral (MPE), Vera Lúcia Taberti, afirma que o Podemos concentra o maior número de reclamações. Mesmo não tendo sido eleitas, as mulheres que denunciaram o partido viraram rés na ação movida pelo MPE. “O TRE (Tribunal Regional Eleitoral) considera que qualquer suplente pode chegar a assumir a vaga”, explica Taberti.

    Segundo a promotora, o descontentamento das candidatas teria sido maior pelo fato da presidente nacional do partido, a deputada federal Renata Abreu (SP), ser mulher e se utilizar de um discurso de empoderamento para convencer outras mulheres a se candidatarem. O porta-voz de Renata afirmou que “jamais houve promessa financeira determinada”.

    Além disso, o MPE acusa um montante elevado de repasses para a campanha de Renata em detrimento das demais mulheres. O Estado calculou que ela recebeu o equivalente a 13% do Fundo Especial do partido em relação ao valor mínimo de 30% exigido para campanhas femininas, equivalente a R$ 10,8 milhões no Podemos. A prestação de contas de Renata não foi aprovada pelo TRE, em dezembro de 2018, e o pedido de embargo de declaração foi rejeitado em fevereiro. A defesa alega que “erros meramente formais não possuem o condão de reprovar contas”.

    Possíveis desvios de recursos também são investigados. Um exemplo é o da presidente estadual do Podemos Mulher. Márcia Pinheiro apresentou prestação de contas zerada à Justiça Eleitoral em novembro de 2018 e recebeu 59 votos. Casos semelhantes em qualquer partido são um alerta ao MP. “Nós temos quase certeza de que houve irregularidades quando vemos uma candidatura sem movimentação financeira”.

    O MPE também tem definido como irregulares candidaturas existentes, mas que não são um investimento do partido. “A partir do momento em que gera desinteresse, vira uma candidatura ‘laranja’”, diz Taberti. A questão é delicada por não haver uma regulamentação que defina um valor mínimo para as campanhas. “O partido não infringiu nenhuma lei, mas é uma questão moral”.

    Estadão

Copyright © SINDFESP - Todos os direitos reservados
Desenvolvido por E-Assis