Enquete

Qual é sua avaliação do Governo do Estado com os funcionários públicos?

Otimo

Bom

Regular

Péssimo

 

HISTÓRIA - O que foi (e ainda é) o integralismo brasileiro? (04/01/2020)

  • Por Maria Clara Rossini

    Na noite do último dia 24 – véspera de Natal – um grupo de pessoas jogou dois coquetéis molotov na sede da produtora do canal de humor Porta dos Fundos. No dia seguinte, um grupo que se denomina “Comando de Insurgência Popular Nacionalista da Família Integralista Brasileira” assumiu responsabilidade pelos ataques em um vídeo publicado nas redes sociais.
    Por outro lado, a Frente Integralista Brasileira publicou uma nota afirmando que não possui nenhuma ligação com o incidente ou com o outro grupo que se diz integralista. Segundo eles, um dos princípios do Integralismo é a transparência, o que não combina com as máscaras usadas pelos autores do ataque.
    No meio da confusão, fica a dúvida: o que é integralismo? O movimento foi fundado em outubro de 1932. Teve grande força em toda a década de 1930, mas foi perdendo relevância a partir dos anos 1940. 

    A ascensão…

    O integralismo não é exatamente um grupo único de pessoas, mas sim uma ideologia. Em linhas gerais, ela é uma doutrina de extrema direita que prega o ultranacionalismo, conservadorismo, defesa dos valores cristãos e união do povo brasileiro. No dia 7 de outubro de 1932, o escritor e político Plínio Salgado lançou o Manifesto de Outubro, que reúne todos os princípios do integralismo.
    Qualquer semelhança com o fascismo não é mera coincidência. O contexto internacional do nazifascismo inspirou o integralismo não só nos ideais, mas também na simbologia do movimento. A saudação entre os integralistas era feita com a mão direita ao alto, bem no estilo Heil Hitler. A diferença é que os brasileiros gritavam Anauê, uma palavra em tupi que significa “você é meu irmão”.
    Não para por aí. O principal símbolo usado até hoje pelos integralistas é o sigma, uma letra grega que representa somatória, fazendo jus à ideia de união do povo brasileiro. Já o fascismo italiano usava um feixe (daí o nome) de varas para representar a mesma ideia – unidade e fraternidade.
    Mesmo com o crescimento da ideologia, o integralismo ainda não tinha influência direta no governo. Foi aí que surgiu a figura de Getúlio Vargas. Apesar de não ser integralista, Vargas fazia acenos ao autoritarismo e conservadorismo, criando proximidade com os valores do movimento. 
    Em 1937, os integralistas apoiaram o golpe do Estado Novo, que decretou a ditadura de Getúlio Vargas. Segundo Odilon Caldeira Neto, professor de História Contemporânea da UFJF (Universidade Federal de Juiz de Fora), as lideranças do movimento viram a oportunidade de conseguir cargos no governo e até mesmo transformar o regime em integralista. 
    Mas o tiro acabou saindo pela culatra. Quando assumiu o governo, Vargas neutralizou os integralistas e extinguiu todos os partidos políticos. Em 1938, o movimento tentou dar um golpe de governo, que ficou conhecido como Levante Integralista. Sem sucesso.

    … E decadência 

    Foi a partir desse momento que o movimento começou a perder força. A partir de 1945, com o fim da Segunda Guerra Mundial, a ideologia fascista passa a ser (muito) mal vista. Para os integralistas, não era mais interessante ser associado a um regime antissemita e fracassado.
    Mesmo assim, o movimento ainda era coeso. Naquela época, todo o integralismo estava centrado na figura de Plínio Salgado, seu fundador. Foi só em 1975, com a morte do líder, que o movimento começou a se fragmentar.
    Os integralistas tiveram que se reorganizar e pensar em estratégias para continuar existindo sem sua figura principal. Foi aí que eles começaram a se dividir em grupos menores, com divergências de ideias e valores. Alguns se mantiveram mais conservadores ao integralismo tradicional, enquanto outros agregaram novos conceitos ao movimento, mas essa pulverização levou a um quase desaparecimento do integralismo
    E mesmo depois de tanto tempo, ainda existem integralistas no Brasil?

    Hoje

    O movimento nunca “morreu” totalmente. Ele ainda existe por meio de grupos menores, mas sem grande força política. Em 2004, surge a Frente Integralista Brasileira, o grupo de maior destaque atualmente.
    Mas ele não é o único. O vídeo em resposta ao atentado do Porta dos Fundos mostra que ainda existem outros integralistas espalhados pelo Brasil. No passado, alguns chegaram a se aproximar de grupos violentos, como os skinheads.
    No entanto, os grupos atuais ainda precisam colocar algumas questões na balança. Enquanto procuram manter os valores do movimento original, é importante manter certa distância de alguns discursos fascistas, já que a apologia ao nazifascismo é crime no Brasil.
    Apesar de não terem força política para formar um partido atualmente, o professor Caldeira Neto ressalta que o integralismo está inserido em um contexto de insurgência do neofascismo pelo mundo e contribui para o aumento do radicalismo político.


    Você sabe o que é fascismo? Entenda o termo
    A palavra é cada vez mais usada nas conversas sobre política. Mas qual sua origem e o que ela significa? Veja a resposta
    Por Ingrid Luisa

    Em tempos de polarização política, é cada vez mais comum ouvir pessoas se chamando de “comuna” ou “coxinha”. Mas sempre aparece aquele mais entendido que resolve xingar o outro de “fascista”. Faz sentido? Ele realmente sabe o que a palavra significa? E você?
    A palavra “fascismo” vem do italiano fascio, que significa “feixe”. Na Roma Antiga, o fascio (também conhecido como fascio littorio), era um machado revestido por varas de madeira. Ele geralmente era carregado pelos lictores, guarda-costas dos magistrados que detinham o poder. O fascio podia ser usado para punição corporal, e também era um símbolo de autoridade e união: um único bastão é facilmente quebrável, enquanto um feixe é difícil de arrebentar.
    No século 20, o político italiano Benito Mussolini se apossou desse símbolo para seu novo partido. Em 1914, ele fundou o grupo Fasci d’Azione Rivoluzionaria (mais tarde, em 1922, surgiria o conhecido Partido Nacional Fascista). O uso do fascio não foi à toa. A Itália enfrentava uma profunda crise desde sua unificação tardia (concluída em 1870), e as consequências da Primeira Guerra Mundial (1914-1918) pioraram a situação. Mussolini prometia, com o fascismo, trazer de volta os tempos áureos do antigo Império Romano.
    Em 1919, os italianos Alceste de Ambris e Filippo Marinetti publicaram o Il manifesto dei fasci italiani di combattimento, texto hoje conhecido como Manifesto Fascista, que propunha um conjunto de medidas para resolver a crise da época. Nas décadas seguintes, o termo “fascismo” passou a ser usado para designar as políticas adotadas por Mussolini e seus seguidores. 
    O regime de Mussolini começou oficialmente em 1922, quando ele assumiu o cargo de primeiro ministro da Itália, e foi um sistema político nacionalista, imperialista, antiliberal e antidemocrático. Ele implantou um governo totalitário que privilegiou conceitos de nação e raça sobre os valores individuais. O fascismo italiano quase acabou em 1943, quando os países Aliados invadiram a Itália, durante a Segunda Guerra Mundial. Mas os nazistas ainda deram uma segunda chance ao ditador: os alemães reocuparam a Itália, resgataram Mussolini e o levaram para o norte do país, onde ele tentou restituir seu governo. No fim, em 1945, os Aliados tomaram o norte e Mussolini foi capturado e fuzilado por guerrilheiros da resistência italiana. Seu corpo foi exposto em praça pública. Com a derrota da Itália (e das forças do Eixo) na guerra, “facista” virou um termo pejorativo.
    Mas, o que exatamente foi o fascismo nem os maiores estudiosos sabem definir com precisão. Não existe nenhuma definição universalmente aceita do fenômeno, seja quanto sua abrangência, origens ideológicas ou formas de ação que o caracterizem. Algumas das principais características atribuídas ao fascismo  italiano -nacionalismo, corporativismo, racismo- não estão presentes em todos os regimes ditos fascistas. 
    George Orwell, no seu “O que é Fascismo?”, afirma que as definições populares do termo vão de “democracia pura” a “demonismo puro”. Ele mesmo afirma que é uma palavra “quase inteiramente sem sentido”. Isso se deve, principalmente, ao fato de o fascismo não possuir um arcabouço teórico forte, e ter sido determinado, na prática, pelas atitudes de Mussolini. Nas palavras do próprio: “Não temos uma doutrina pronta; nossa doutrina é a ação.” Outros movimentos são bem mais formalizados. O marxismo, por exemplo, antes de ser uma prática política, é uma doutrina com base teórica nos escritos de Marx e Engels. O nazismo, mais próximo do fascismo, teve no livro Mein Kampf (Minha Luta), escrito em 1925 por Adolf Hitler, seu manual de instruções. Mas as regras do regime de Mussolini foram basicamente definidas na hora, no calor do momento.
    O fascismo propriamente dito ocorreu em um contexto bem específico da história, mas há quem considere que o regime de Franco, na Espanha, ou o de Salazar, em Portugal, também tenham sido fascistas. Talvez dessa indefinição surja a generalização. Hoje, a palavra virou sinônimo de “extrema direita”, mas é usada até para se referir a “totalitarismo” e “autoritarismo” – o que não faz sentido, já que o regime comunista de Stalin foi ainda mais autoritário que o de Mussolini.
    Em suma: a própria definição de fascismo é relativa. E as pessoas vão continuar usando essa palavra cada uma à sua maneira. Mas, na próxima vez em que você escutar alguém usando o termo, saberá do que se trata: alusão a um antigo instrumento de poder romano, que virou símbolo de alguns dos piores momentos do século 20.  

    Revista Surperinteressante

Copyright © SINDFESP - Todos os direitos reservados
Desenvolvido por E-Assis