Enquete

Qual é sua avaliação do Governo do Estado com os funcionários públicos?

Otimo

Bom

Regular

Péssimo

 

Reforma da Previdência de SP reduz pensão por morte de servidor (15/03/2020)

  • Mudanças para o funcionalismo paulista também limitam o benefício vitalício

    Laísa Dall'Agnol
    SÃO PAULO
    Em tramitação na Alesp (Assembleia Legislativa de São Paulo), a reforma da Previdência dos servidores públicos do estado traz mudanças significativas nas regras de concessão e cálculos de benefícios para quem ingressar no funcionalismo após a sua aprovação.

    Um deles é a pensão por morte, cujas alterações estão previstas no PLC (projeto de lei complementar) 80/2019. O texto deverá ser votado após aprovação em segundo turno da PEC (proposta de emenda à Constituição) 18/2019. A PEC da reforma da Previdência estadual foi aprovada em dois turnos no plenário da Assembleia Legislativa. A segunda votação, nesta terça, 3 de março, foi marcada por protestos, quebra-quebra e ação da Tropa de Choque. 

    “A pensão por morte foi o benefício mais afetado, porque saiu uma coisa e entrou outra totalmente diferente. A mudança foi drástica”, diz Fabiana Cagnoto, advogada da Aith, Badari e Luchin.

    Hoje, a pensão é calculada pelo teto do INSS (R$ 6.101,06). Até esse limite, o beneficiário recebe sem redutores. Para valores acima do teto, aplica-se uma alíquota de 70% sobre o excedente. O valor final é dividido entre os dependentes.

    Com a reforma, diz Cagnoto, a pensão será 50% da aposentadoria do servidor (ou daquela a que teria direito se fosse aposentado por incapacidade permanente na data da morte), com acréscimo de 10% por dependente (viúva e filhos têm a mesma cota).

    A duração do benefício variável de acordo com a idade do cônjuge também é uma mudança da reforma. Hoje, a pensão por morte é vitalícia para viúvas e recebível até 21 anos por filhos que não sejam deficientes.

    “Pela proposta, o benefício só será vitalício se a pensionista tiver a partir de 44 anos. Se tiver até 21 anos, só terá direito a três anos de pensão”, explica Fernando Bartoletti, vice-presidente da AMB (Associação dos Magistrados Brasileiros) e coordenador do Focae (Fórum Permanente das Carreiras de Estado).

    Se a morte acontecer sem que o servidor tenha contribuído por 18 meses ou se a união tiver menos de dois anos, o benefício será recebido pelo cônjuge por apenas quatro meses.

    Acúmulo de benefícios
    A reforma também define como poderá ser o acúmulo de benefícios no estado de SP
    Os servidores poderão acumular:

    Pensão por morte do estado com pensão do INSS, de militar e de outros regimes de previdência
    Pensão por morte do estado com aposentadoria do INSS 
    Aposentadoria do estado com pensão militar
    Regras de pagamento

    O benefício maior será pago integralmente
    No benefício menor, serão aplicados redutores, por faixa do salário mínimo

    Pensão por morte | Funcionalismo paulista
    Como é hoje

    Regras para servidores paulistas seguem o previsto na Constituição Federal para servidores públicos

    Teto do INSS (R$ 6.101,06 em 2020) + 70% do que exceder esse valor

    Exemplo: servidor que recebia aposentadoria de R$ 10 mil com esposa e um filho menor de 21 anos

    Pensão a ser repartida entre dependentes: R$ 6.101,06 + R$ 2.729,26 = R$ 8.830,32

    O filho dependente recebe até os 21 anos. Caso ele possua alguma deficiência, a cota continuará sendo paga, independentemente da idade.

    Transferência das cotas

    Se um dependente morre, a cota pode ser revertida para outro dependente, desde que seja de filho para cônjuge ou vice-versa

    Ex: se a viúva também morrer, o filho (desde que único dependente) recebe 100% do benefício (50% + 50%)

    Como será o cálculo após a reforma

    Pensão por morte concedida a dependente do servidor será:

    50% do valor da aposentadoria recebida pelo servidor (ou daquela a que teria direito se fosse aposentado por incapacidade permanente na data da morte)

    +

    10% por dependente
    [até o máximo de 100%]

    *Cônjuge e filhos contam como dependentes e têm a mesma cota

    *No caso de filho, pensão se encerra quando ele completar 21 anos

    Exemplo: servidor que recebia aposentadoria de R$ 10 mil com esposa e um filho menor de 21 anos

    Cálculo: R$ 5.000 + R$ 1.000 + R$ 1.000 = R$ 7.000

    Exceções

    1.  Dependente inválido ou com deficiência intelectual, mental ou grave

    Cálculo: 100% do valor da aposentadoria recebida pelo servidor (ou daquela a que teria direito se fosse aposentado por incapacidade permanente na data da morte) até o teto do INSS (R$ 6.101,06 em 2020)

    +

    Cota familiar de 50% + cotas de 10% por dependente, até o máximo de 100% para o valor acima do teto do INSS

    2. Policial Civil, Agente de Segurança Penitenciária e Agente de Escolta e Vigilância Penitenciária

    No caso em que a morte for causada por agressão sofrida no exercício da função ou em razão da função:

    Cálculo: equivalente a 100% da remuneração do cargo

    Salário mínimo

    Em todos os casos, o valor do benefício de pensão por morte não poderá ser inferior ao salário mínimo, mas, se o benefício for pago a mais de um beneficiário, as cotas de cada um dos beneficiários poderá ser inferior ao mínimo

    Transferência das cotas

    Se um dependente morre, a cota não poderá ser revertida para outro dependente

    Ex: se a viúva também morrer, o filho dependente não poderá incorporar a sua cota de 10%, ou seja, ele receberá 50% + 10% do benefício

    Duração de pensão para cônjuge/companheiro

    Se o servidor morto tinha menos de 18 contribuições (contabilizando tempo de qualquer regime previdenciário) ou se o casamento/união estável se deram menos de dois anos antes da morte: Receberá por 4 meses

    *Carência não é aplicada se a morte do servidor for causada por acidente de trabalho ou doença profissional/do trabalho

    Se o servidor morto tinha mais de 18 contribuições (contabilizando tempo de qualquer regime previdenciário) ou se a morte ocorreu depois de dois anos em que se deu o casamento/união estável:

    Idade do pensionista (anos) Período de recebimento (anos)
    21 3
    Entre 21 e 26                                  6
    Entre 27 e 29                                 10
    Entre 30 e 40                                 15
    Entre 41 e 43                                 20
    A partir de 44                                 Sem prazo determinado
    Exceção: pensão do cônjuge/companheiro de integrantes da Polícia Civil, Agente de Segurança Penitenciária e Agente de Escolta e Vigilância Penitenciária cuja morte foi decorrente de agressão sofrida no exercício ou em razão da função será concedida sem prazo determinado 

    Fontes: SPPrev (São Paulo Previdência), PLC 80/2019, Fabiana Cagnoto (advogada da Aith, Badari e Luchin Advogados) e Fernando Bartoletti, vice-presidente da AMB (Associação dos Magistrados Brasileiros) e coordenador do Focae (Fórum Permanente das Carreiras de Estado)

Copyright © SINDFESP - Todos os direitos reservados
Desenvolvido por E-Assis