SINDFESP - SINDICATO DOS FUNCIONÁRIOS DA FAZENDA DO ESTADO DE SÃO PAULO

Segunda-Feira, 27 de Setembro de 2021
FILIE-SE

Enquete

Qual é sua avaliação do Governo do Estado com os funcionários públicos?

Otimo

Bom

Regular

Péssimo

 

Quanto custam os serviços de streaming no Brasil e como economizar (04/06/2021)

  • As opções de plataforma de streaming aumentaram no Brasil, mas assinar diversos serviços pode acabar pesando no bolso. Veja 3 dicas para economizar

    O número de empresas que lançaram as próprias plataformas de filmes e séries saltou nos últimos anos. Já são tantas opções de streaming, que assinar todos esses serviços pode representar um custo pesado no final do mês.

    A questão é que cada vez mais as produções estão sendo dedicadas a uma plataforma exclusiva, de forma que para ter um catálogo mais diverso o usuário precisa ter múltiplas assinaturas.

    Conheça a newsletter da Exame e todos os conteúdos que vão te ajudar a economizar

    Uma pesquisa realizada pela Kantar no final de 2020 mostrou que 6 em cada 10 brasileiros com acesso à internet têm algum tipo de assinatura de streaming. O isolamento social de 2020 e 2021 acelerou o número de pagantes nas plataformas, o que incentivou a chegada de novos concorrentes ao Brasil.

    Com a chegada da Disney+, no final do ano passado, já são mais de 10 plataformas de vídeos, filmes e séries em operação no país. A EXAME levantou os custos das principais delas, veja abaixo:

    Plataforma Mensalidade
    Netflix R$ 21,90 (1 tela) a R$ 45,90 (até 4 telas)
    Amazon Prime Video R$ 9,90 (até 3 telas)
    HBO Go R$ 34,90 (até 3 telas)
    Disney+ R$ 27,90 (até 4 telas)
    Globoplay R$ 19,90 no plano básico ou R$ 42,90 com canais ao vivo (até 5 telas)
    Globoplay + Disney+ R$ 43,90 no plano básico ou R$ 59,90 com canais ao vivo (até 5 telas)
    Looke R$ 16,90 (até 3 telas)
    Apple TV+ R$ 9,90 (até 6 telas)
    Telecine Play R$ 39,90
    YouTube Premium R$ 20,90
    Como escolher a melhor plataforma?
    A maioria desses serviços oferece um período teste, para que o usuários conheça os títulos disponíveis. Depois desses 30 dias, a mensalidade começa a ser cobrada.

    É claro que os catálogos estão em constante mudança, de forma que não é possível em 30 dias saber qual serviço é mais adequado ao gosto do freguês, mas a amostra pode dar uma boa ideia da qualidade das produções originais que parte dessas plataformas têm e das parcerias com estúdios de filmes.

    No caso do Disney+, por exemplo, além dos filmes da Disney, o usuário terá no catálogo títulos da Marvel, Pixar, Star Wars, National Geographic e Fox. Se os filmes e séries desses estúdios forem sua praia, então a assinatura já começa a fazer mais sentido.

    Como economizar com streaming?
    Escolher o serviço que mais agrada é só o primeiro passo para não gastar rios de dinheiro com o streaming. Veja abaixo mais sugestões para aproveitar as assinaturas da melhor forma:

    Compartilhe sua conta
    Outra dica útil é optar pelas assinaturas que permitem mais telas e dividir o pacote com amigos ou familiares.

    No entanto, vale dizer que essa é uma possibilidade que pode não existir por muito mais tempo. As plataformas têm testado ferramentas para rastrear o IP de acesso dos usuários, dificultando, por exemplo, que pessoas que moram em casas diferentes acessem uma mesma conta de assinatura.

    Nos Estados Unidos, a Netflix já exibe a alguns usuários um aviso quando o acesso é feito de uma casa diferente do dono da conta. Por enquanto, o aviso é "ignorável", mas é possível que em um futuro breve as empresas adotem métodos para evitar o "supercompartilhamento" de contas (quando um mesmo usuário é dividido entre mais de uma família).

    Busque serviços "combinados"
    Muitas empresas têm parcerias para oferecer assinaturas de forma conjunta. No Brasil, por exemplo, o Globoplay e Disney+ oferecem a opção de uma mensalidade única, que sai mais barata do que se os serviços fossem assinados separadamente.

    Outros exemplos são o conteúdo do StarzPlay no Amazon Prime Video e os combos que as próprias operadoras de TV a cabo fazem para oferecer a assinatura da Netflix aos usuários -- afinal, se não pode contra eles: una-se a eles.

    Alterne as assinaturas
    Embora os catálogos das empresas estejam sempre se renovando, é normal que, depois de um tempo, o usuário sinta-se entediado (principalmente aqueles que são cinéfilos, e que devoram as diversas opções de filme das plataformas em pouco tempo).

    Uma boa dica para evitar o tédio e economizar é fazer um "rodízio" entre as assinaturas. De tempos em tempos, é válido trocar um serviço para o outro, para conhecer os outros serviços e aproveitar as estreias e novidades.

    https://invest.exame.com/

Copyright © SINDFESP - Todos os direitos reservados
Desenvolvido por E-Assis